Para a Oliva (Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira), a queda é reflexo do momento instável vivido pelo Brasil que afetou o poder de compra dos brasileiros e modificou alguns hábitos de consumo.

Enquanto países como Austrália, China e Estados Unidos apresentam crescimento, Rússia, Japão e Brasil registram queda, sendo no Brasil o registro mais expressivo.

“O segmento de azeites tem uma particularidade em relação a alguns outros. Mesmo com o cenário atual o brasileiro não deixou de consumir o produto, porém, passou a comprar menos unidades”, explica Rita Bassi, presidente da OLIVA.

Fuja das fraudes
A presidente da Oliva reforça que os consumidores devem ficar atentos às ofertas de produtos com preços muito baixos. “Quem mais se beneficia desse momento atual são os produtos adulterados que são ofertados a preços abaixo da média do mercado. O consumidor deve desconfiar da procedência e qualidade desses produtos”, alerta Rita Bassi.