15h16

Cinco dicas de educação financeira

A primeira dica de educação financeira citada pelos especialistas é realizar um diagnóstico completo da casa

Compartilhe

A economia brasileira não está nos seus melhores dias, isso todo mundo sabe. Com projeções pessimistas para a macroeconomia do País, tais como o aumento do desemprego, a inflação alta etc., as famílias acabam sendo atingidas diretamente no bolso – e aqueles mais desorganizados em relação à educação financeira podem se tornar endividados e inadimplentes.

Apesar do cenário pouco animador, é possível aproveitar o momento ruim para a economia do País e sair mais fortalecido desse período. Como? O primeiro passo é buscar informações de educação financeira para o planejamento e a adequação do orçamento da família para curto, médio e longo prazo. Pode parecer “milagre”, mas não é. Quando fazemos uma organização da economia da casa mensalmente, torna-se possível fechar as contas e, também, conquistar objetivos de forma sustentável (mesmo em tempos de crise), segundo especialistas. Quer saber o que você pode fazer para ter um orçamento saudável e, ainda, ter dinheiro para realizar seus sonhos? Então, fique ligado nas dicas da DSOP Educação Financeira e do presidente da Associação Brasileira de Educação Financeira (Abefin), autor do best-seller Terapia Financeira, Reinaldo Domingos.

Diagnóstico financeiro

Nada funcionará se você não souber, antes de tudo, qual é a renda total da casa (se você é sozinho, se tem mais algum provedor... Coloque tudo no papel). Também é essencial compreender de que forma o dinheiro é gasto. Portanto, o primeiro passo a se tomar é fazer um diagnóstico financeiro, que funcionará como uma reflexão sobre onde está gastando, quais despesas pode reduzir ou eliminar, o que é mais urgente etc. Segundo os especialistas consultados, o indicado é anotar por, pelo menos, 30 dias (se tiver renda fixa) ou 90 dias (renda variável) todos os gastos, incluindo os pequenos, como as guloseimas, o cafezinho, as gorjetas. Seja preciso. Depois que você fizer esse raio-X, poderá tomar os próximos passos para a organização financeira da casa.

De olho nas dívidas

É, não tem jeito. É preciso encarar as dívidas e tentar se livrar de todas elas. Você pode pensar que no momento de crise seja quase impossível lidar com o endividamento, mas o fato é que os credores também estão mais interessados em resolver esses problemas nas horas de dificuldade, apresentando melhores condições de pagamento/negociações. Mas, para esse problema, a orientação dos especialistas é que você foque – principalmente – nas causas das dívidas, do descontrole e tente resolver esse grande problema. Ou seja, que adeque seu padrão de vida a sua realidade, cortando gastos. Aliás, muitas pessoas dizem que “não tem como cortar gastos”, contudo isso não é verdade. Você sabia que, em média, 25% dos nossos gastos são com supérfluos? Se você se disciplinar, anotando tudo que gasta, perceberá que há, sim, maneiras de diminuir custos. Com essa ação, você ganhará fôlego e, dessa maneira, poderá assumir o compromisso de pagamento das dívidas. Se não se livrar dessa dificuldade de forma emergencial, pode ter certeza que a alta dos juros prejudicará a sua saúde financeira no futuro.

Formato de orçamento

Um erro comum é pensar que orçamento financeiro familiar consiste em registrar o que se ganha e subtrair o que se gasta e, caso sobre dinheiro, será lucro, mas, se faltar, é prejuízo. Na verdade, a forma correta, segundo os especialistas consultados, consiste em, primeiramente, elaborar o registro de todas as receitas mensais, separando os valores predefinidos para os projetos e sonhos da família e, somente com o restante, adequar os gastos da família. Isso forçará um ajuste do padrão de vida de todos em direção às conquistas financeiras. De maneira mais didática: a conta não deve ser apenas de Ganhos (-) Despesas = Lucro/Prejuízo. É preciso estabelecer a seguinte forma: Ganhos (-) Sonhos (-) Despesas. Isso porque, dessa maneira, não será preciso esperar que sobre ou falte dinheiro para pensar nos sonhos, pelo contrário, essa conta força a poupança em primeiro lugar, priorizando os objetivos frente ao consumo.

Objetivos e sonhos no papel

Para praticar o orçamento sustentável, é necessário definir quais os sonhos sua família deseja realizar no curto prazo (em até um ano), no médio prazo (entre um e 10 anos) e no longo prazo (após 10 anos). Depois disso, é preciso saber quanto custa cada um desses objetivos e o quanto será necessário poupar por mês para realizar no período planejado. Com esses números em mãos, você e todos os integrantes da família terão mais facilidade em poupar dinheiro, cultivando o hábito de realizar sonhos todos os anos e, quem sabe, por toda a vida.

Investir, por que não?

Quando você conquista todos os hábitos anteriores, poderá se interessar em fazer investimentos. Afinal, a alta de juros pode ser um bom momento para isso. Porém, antes de mais nada, os especialistas aconselham que você não “poupe sem motivo”. O ideal é sempre buscar o melhor rendimento: no mercado financeiro, existem diversas opções de aplicação em ativos financeiros com riscos diferentes. A orientação deles é que você busque variar o investimento de acordo com o tempo que utilizará o dinheiro. De forma geral, o risco de uma aplicação financeira é diretamente proporcional à rentabilidade desejada pelo empreendedor, ou seja, quanto maior o retorno estimado pelo tipo de aplicação escolhida, maior será o risco, por isso, é preciso cautela. Fonte: IG.com
Compartilhe
Deixe seu comentário
Acesse
Leia também no
Newsletter
Receba no seu e-mail todas as novidades da Revista Distribuição
Facebook Instagram YouTube
Cadastro 5
Cadastro 5
Cadastro 5
Fale com a redação
(11) 5572.1221
Ramal: 206
Publicidade
(11) 5572.1221
Ramal: 210
2016 - 2017. Revista Distribuição. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo | Agência Digital