12h13

Leal automatiza estoque com RFID da TOTVS

Fabricante de equipamentos de proteção individual eliminou falhas no estoque e reduziu o tempo de conferência de pedidos em 20% por meio da tecnologia de identificação por radiofrequência

Compartilhe
Leal automatiza estoque com RFID da TOTVS

A Leal Indústria e Comércio, fabricante de equipamentos de proteção individual (EPI), roupas de proteção contra arco elétrico e uniformes, no mercado há 50 anos, administra um estoque de mais de 500 mil artigos, distribuído em dois centros de distribuição – um em Campo Limpo Paulista, SP, e outro em Navegantes, SC. São 15 mil itens ativos e um cadastro total de 60 mil especificações. Todo esse volume de produtos exige da empresa um nível de controle muito alto e foi por isso que a Leal buscou a solução de RFID (Radio Frequency Identity) da TOTVS, para rastrear as mercadorias dentro de seus CDs.

“Nosso portfólio é bastante diversificado incluindo roupas; equipamentos de segurança, como luvas, cintos paraquedistas; entre outros. E uma linha não tem necessariamente relação com a outra. Com um espaço físico limitado, acontecia de perdermos itens dentro do depósito e corríamos o risco de fazer entregas erradas”, lembra Adailton Siqueira, gerente de sistemas da Leal. O aumento da acuracidade do estoque era necessário, também, para atender a auditorias externas.

“Com o RFID, alcançou-se uma otimização nos tempos das operações, como mais velocidade de expedição e transformação de produto de 30%, além da exatidão na rastreabilidade, garantindo acuracidade no estoque. Após um período de adaptação, houve também uma melhora de 15% na separação do pedido; 20% na conferência; e de 15% também na conferência da nota. Realizamos um inventário envolvendo 2,2 mil pallets, o que antes era impossível”, completa Alain Levy, sócio-diretor de Operações da Leal.

Outra necessidade da Leal atendida pela tecnologia de RFID foi o controle de data de validade dos artigos já comercializados, que estão em seus clientes. Por se tratar de produtos que envolvem segurança e integridade física dos usuários, os EPIs têm um prazo de vida útil pré-determinado e, em alguns casos, precisam passar por reinspeções. “Essa funcionalidade garante aos nossos consumidores que eles e seus funcionários estarão protegidos de acidentes, além de reduzir o risco de não conformidades em auditorias de segurança do trabalho”, explica Jacques Levy, sócio-diretor Comercial da leal. Com esse sistema, as empresas que compram da Leal serão avisadas, dentro de seus sistemas, que os prazos de inspeção e expiração estão próximos.

O projeto de implantação contou com três fases. Na primeira, de auditoria, o investimento foi feito no controle de estoque, com foco no inventário em uma linha específica de luvas e mantas isolantes. Foram etiquetados 15 mil itens e verificado que as informações não tinham variações, ou seja, estavam corretas. Na segunda etapa, foram realizadas melhorias no processo de compra de rolos de tecidos. O RFID identifica cada rolo, que tem 170 metros, e aponta quantos metros já foram utilizados na produção e quantos ainda permanecem na devolução ao estoque. Na terceira fase, a matéria prima entra no armazém já identificada com RFID e a saída passa a ser por conferência cega – com a mesma tecnologia.

“No teste da checagem, identificamos oportunidades para otimizar o nosso processo. Devido à forma como as peças são armazenadas, especialmente no caso de roupas, a conferência pode ser divergente. Por isso, decidimos redesenhar nosso armazenamento, para melhorar a produtividade da operação”, conta Siqueira.

A implementação segue contabilizando evoluções e os próximos passos da empresa serão adequar e aperfeiçoar as etiquetas internas para cata tipo de produto e padronizar o uso do RFID de acordo com as diretrizes da GS1 Brasil, Associação Brasileira de Automação.

“A TOTVS trabalha para ser, mais que uma fornecedora de tecnologia, uma parceira no desenvolvimento do negócio de nossos clientes. O projeto desenvolvido na Leal mostrou que a escolha de uma ferramenta como o RFID pode identificar oportunidades de melhoras nos processos de uma empresa como um todo, dando a ela espaço para crescer e conquistar mais competividade no seu segmento”, diz Gustavo Bastos, vice-presidente de Supply Chain da TOTVS.

Compartilhe
Deixe seu comentário
Acesse
Leia também no
Newsletter
Receba no seu e-mail todas as novidades da Revista Distribuição
Facebook Instagram YouTube
Cadastro 5
Cadastro 5
Cadastro 5
Fale com a redação
(11) 5572.1221
Ramal: 206
Publicidade
(11) 5572.1221
Ramal: 210
2016 - 2017. Revista Distribuição. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo | Agência Digital